novos brotos

A cada manhã de sol
valorizo o frio do cobertor

Que aquece meu corpo nu
e descobre toda minha dor

A cada manhã de frio
valorizo o calor da solidão

Que incinera todo meu eu
e derrete de febre o meu coração

A cada dia de chuva
valorizo a garganta seca

Que revela a minha fraqueza
e que demonstra o meu amor

A cada dia de outono
valorizo as folhas que caem

Que testificam a beleza da queda
e abrem caminho ao novo que nasce

– Uriel Silveira

Compartilhar: